Uso do Clorimuron Etílico Associado a Bioestimulante à Base de Aminoácidos no Manejo de Milho RR

  • Daniel Soares Gonçalves
  • Evandro Luiz Corrêa de Souza
Palavras-chave: Herbicidas, Estimulantes de plantas, Glifosato, Mecanismo de ação, Tiguera

Resumo

Com a introdução do milho RR na agricultura, surgiram-se dificuldades quanto ao controle devido este possuir resistência em relação ao herbicida glyphosate. O objetivo do trabalho foi avaliar a eficiência agronômica de um herbicida pertencente ao mecanismo de ação ALS, clorimuron etílico, associado a um bioestimulante à base de aminoácidos, no controle do milho resistente ao herbicida glyphosate. O experimento foi conduzido no campo experimental da Faculdade Cidade de Coromandel (FCC), localizado no município de Coromandel-MG, no período de abril a maio de 2017, utilizando-se o milho RR do cultivar 2B610PW, plantado em sacos plásticos de 500 gramas. O delineamento experimental utilizado foi de blocos casualizados, com 8 tratamentos e 4 repetições, seguindo o esquema fatorial de 3x2, onde, três doses diferentes do herbicida clorimuron etílico, com adição ou não de bioestimulante à base de aminoácidos e uma testemunha. Os resultados mostraram que o herbicida clorimuron etílico, aplicado no manejo de milho RR, não foi eficiente no seu controle, independente da dose aplicada, com ou sem a aplicação do bioestimulante à base de aminoácidos. Pode-se concluir que o clorimuron etílico, associado ou não ao bioestimulante, promoveu redução do crescimento das plantas de milho RR quando comparado às testemunhas.

Publicado
2019-06-07